Amamentação Sem Mitos

Amamentar durante a aplicação da vacina produz alívio da dor

Na semana passada, em um dos grupos materno dos quais participo, uma mãe relatou que foi proibida de amamentar durante a aplicação da vacina em uma unidade básica de saúde. Ela argumentou que tinha o hábito de proceder dessa forma com seu bebê, mas a equipe responsável foi irredutível. Pressionada, a mãe deixou que a vacina fosse dada mesmo assim.

Esse é um fato comum. Profissionais não permitem que bebês sejam amamentados durante a aplicação da vacina ou, então, pintam um cenário de risco à saúde dessa criança. Normalmente, alega-se o risco de broncoaspiração, ou seja, pelo susto e dor provocados pela vacina, a criança poderia aspirar o leite e sofrer um engasgo.

Porém, a recomendação oficial do Ministério da Saúde é diferente. O Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação, publicado em 2014, indica o seguinte (página 49):

“Caso a criança esteja em aleitamento materno, oriente a mãe para amamentá-la durante a vacinação, para maior relaxamento da criança e redução da agitação”

Amamentar no momento da aplicação da vacina estaria relacionado à redução da sensação de dor, deixando o bebê mais tranquilo. Diferentes estudos mostram evidências na eficácia da amamentação materna como medida não farmacológica para o alívio da dor, durante a administração de injeção intramuscular em crianças a partir de dois meses de idade e durante a administração da vacina (Efe & Ozer, 2012; Khadijeh et al., 2013; Marin et al., 2013; Modarres et al., 2013; Leite et al, 2015). Esse efeito é atribuído às propriedades analgésicas  da sucção e à sensação gustativa e o efeito gástrico do leite materno (Castral et al., 2009). Além disso, tornar a mãe mais ativa no momento da realização do procedimento pode diminuir o seu estresse e aumentar sua confiança.

Saiba que você não precisa amamentar, caso não queira, se sinta insegura ou, mesmo, se não será você a levar o bebê para vacinar. Porém, você pode amamentar em uma situação como essa, sem colocar seu filho em risco. E, uma ressalva, aqui estamos falando somente de vacinas injetáveis! Para as orais, obviamente, não é possível amementar concomitantemente e existem outros procedimentos.

 

Referências:

Efe E, Ozer Z. The use of breastfeeding for pain relief during neonatal immunization injection. Applied Nursing Research. 2007;20 (1) 10-16.
SHAH, PS. Breastfeeding or breast milk for procedural pain in neonates (Review). The Cochrane Library; 2012 Issue 12.

Khadijeh B, Khodaei F, Zahra A, Marouti MJ. Nurs Midwifery. 2013; 18 (91): 3-37.

Modarres M, Jazayeri A, Rahnama P, Montarezi A. Breastfeeding and pain relief in full-term neonates during immunization injections: a clinical randomized trial. Anesthesiology. 2013; 13(22): 1-6.

Marín GMA, Del Rey HB, Jiménez FL, Medina V, Iglesias FB, Vázquez RM, Escudero HV, et al. Analgesia with breastfeeding in addition to skin-to-skin contact during heel prick. Arch Dis Fetal Neonatal Ed. 2013; 98 (6):499-503.

Leite AM, Silva ACTO, Castral TC. Amamentação e contato pele-a-pele no alívio da dor em recém-nascidos na vacina contra Hepatite B. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2015 jul./set.;17(3). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v17i3.31932.

Castral TC, Leite, A. M.; Gilbert M J, Mendes T R, Hisamitsu L B, Scochi CGS. Intervenções maternas para o alívio da dor aguda no recém-nascido. RevistaQualidade do Hospital das Clínicas. 2009; 1:23-27.

Leave a Comment